Anúncio Publicitário

Sobre o filme

Medo Profundo, com lançamento pela PlayArte, escrito por Johannes Roberts e Ernest Rivera, fala de duas irmãs que estão de férias no México e curtindo todas as mordomias que um bom comercial de turismo poderia apresentar. Baladas, bares, piscinas, drinks. Lisa (Mandy Moore) é a mais centrada e Kate (Claire Holt) é a aventureira. Quando Kate descobre que o relacionamento de Lisa foi para o espaço, ela resolve convencer a irmã a se jogar de cabeça nas aventuras que as férias proporcionam.

Conhecendo dois moradores locais, (Yani Gellman como Javier e Santiago Segura como Benjamin), as garotas são instigadas a praticar um mergulho com tubarões – sabe aqueles dentro de uma gaiola, em alto mar? Desses – Lisa, relutante, procura motivos para não ir. Kate, a destemida, usa todas as artimanhas para fazer com que a irmã entre na gaiola e mergulhe com os peixinhos carnívoros enormes.

Mandy Moore; Claire Holt; Yani Gellman e Santiago Segura(📷 PlayArte Pictures / Divulgação)

E lógico – como você pode descobrir pelo trailer – a brincadeira deu errado e elas vão parar no fundo do mar (para ser mais exato, ficam à 47 metros da superfície, daí o nome em inglês).

O filme é apresentado como suspense, mas, em muitas cenas ele flerta com terror visual bem aparente. Sabe quando o diretor resolve fazer a criatura caçar a mocinha? Pois bem, isso também acontece aqui.

Sobre o diretor

Johannes Roberts é reconhecido por diversos filmes. Antes de Medo Profundo, ele escreveu e dirigiu “Do Outro Lado da Porta”, um suspense sobrenatural, produzido pela Fox International.

Ele ainda é o roteirista do filme F, aclamado pela crítica, lançado nos cinemas do Reino Unido no verão de 2010. Também dirigiu o filme televisivo Roadkill (produzido pela NBC). Pela Universal Pictures, Johannes dirigiu Storage 24, estrelado por Noel Clarke (vencedor do prêmio Bafta), lançado no Brasil em 2012. Em Medo Profundo, o diretor procurou expandir as suas habilidades e testar novas maneiras de impressionar o público. Funcionou?!

Mandy Moore; Claire Holt; Yani Gellman; Matthew Modine e Santiago Segura(📷 PlayArte Pictures / Divulgação)

A narrativa

A estrutura narrativa do filme é dinâmica e ele não fica engessado em apenas um problema. Eu contei cerca de 20 minutos até o fim do primeiro ato – quando a gaiola cai na água – sendo assim, é possível dizer que, apesar de algumas falhas, o filme não é monótono.

As personagens funcionam. Não existe uma interpretação memorável em nenhuma das atrizes, mas, as duas personagens principais (em cena por mais de 90% do filme) seguraram bem a barra.

A tensão pode funcionar. Apesar de possuir alguns jumpscares telegrafados, o filme trabalha bem o sistema de “deixa/conclusão”. Um personagem diz algo em uma cena e depois, na cena seguinte, o resultado aparece.

A trilha sonora feita pela equipe Tomandandy é… bom é uma trilha sonora de um filme de suspense com um tubarão como antagonista. Ou seja, ela faz pausas repentinas. Abre respiros. Torna algumas cenas extremamente barulhentas e confusas para depois terminar tudo em um momento súbito de silêncio. Não é fantástica, mas não compromete o filme.

É bom dizer que o diretor não apelou para a sexualidade das atrizes. Apesar dele possuir duas mulheres em trajes de mergulho, o diretor não vendeu o filme usando o corpo delas. Toda a sexualidade que está presente nas cenas é orgânica e natural da atividade que elas estão praticando.

Os personagens secundários são apagados ou francamente irrelevantes. Com exceção do capitão Taylor (Matthew Modine), a voz dele representa a redenção das personagens e o fim do sofrimento.

Eu gosto especialmente da escalada de acontecimentos negativos. Mais de uma vez você se pega pensando – ah!, ok, vai terminar assim, é, bom, pois é – e do nada – UAU, OUTRA COISA DANDO MUITO ERRADO, CARACA, ELAS VÃO MORRER MESMO DESSA VEZ.

Com elementos de Gravidade (2013) e algumas boas sacadas. Medo Profundo (47 Meters Down) é um filme que pode funcionar para a grande maioria do público. Não será um filme imortal, contudo, é um filme que pode se encaixar no gosto de diversas pessoas.

Com lançamento pela PlayArte, Medro Profundo tem data de estreia marcada para 8 de março aqui no Brasil. Depois diga o que você achou do filme.

Abaixo você pode conferir o trailer:

Adicionais:

A PlayArte preparou a cabine de Imprensa no Aquário de São Paulo. Para você que é da cidade, o Aquário é responsável pela preservação de diversas espécies marinhas e terrestres. Visitar o Aquário de São Paulo será uma experiência muito diferente da de visitar um zoológico. Bem estruturado e com monitores dispostos a tirar todas as suas dúvidas, o local é uma atração muito interessante. Visitamos lá e eu pude conhecer e conversar sobre os tubarões, ursos polares, pinguins – tem até uns camaradinhas bem simpáticos, que você conhece do desenho O Rei Leão – os suricatos. Essa dica é grátis e nós do Cinerama não estamos fazendo nenhuma propaganda paga para o local. Só estou acrescentando esse adento, pois acredito e me encantei pelo projeto.

Então, vá assistir ao filme, depois separe um final de semana para conhecer o Aquário de São Paulo.