Master of None | Uma pérola original Netflix

Ainda não conhece? Não perca tempo!

0
96

Master of None (1ª e 2ª temporada) acompanha a vida do indiano Dev Shah (Aziz Ansari) um ator que tenta encontrar o trabalho perfeito, e tem uma relação muito peculiar com seus pais e seus amigos, na cidade de Nova Iorque. Talvez pareça uma sinopse simples demais porém nesta sutileza que Master of None consegue ser genial.


A produção que tem o roteiro assinado pelo protagonista, e que também dirige alguns episódios, tem um humor absurdamente gostoso, natural, bobo e completamente bem encaixado na história. E este humor trata de assuntos muito sérios, principalmente na vida dessas pessoas que sofrem preconceito: indianos, asiáticos, pretos, mulheres, lésbicas, gays. Ponto alto do roteiro é que ainda que sofram preconceitos, essas pessoas não são ridicularizadas na história e sempre estão prontas a rebater qualquer problema. É certo que na vida real as coisas infelizmente não funcionam assim porém é importante ter um produto audiovisual com essa preocupação.
Seguindo esta linha a série retrata de maneira extremamente fiel a relação pais e filhos, a tecnologia mudando o cotidiano de ambos e os difíceis diálogos que travamos com eles.
A 1ª temporada é muito engraçada em todos os 10 episódios, cada um com no máximo 30 minutos. Todas as questões que citei são exploradas e quando você pensa que o estoque de piadas já esgotou, lá vem mais. Aziz Ansari é puro carisma! Vale registrar que a série também tem diálogos fortes e dramáticos. Esta mescla de tons não fica perdida.
Já na 2ª temporada o clima descontraído continua porém com uma espécie de reviravolta na vida de Dev e os questionamentos amorosos/familiares/profissionais da fase adulta o perturbam muito.
Os episódios vão ficando mais tensos e com isso nosso sofrimento vai aumentando junto a Dev. É impossível não se espelhar em alguma cena ou momento vivido por ele ou algum de seus amigos. Todos nós já nos deparamos com algo parecido.
Ao final de cada episódio não existe o plot (o gancho) para o próximo, eles terminam quando você menos espera. A sensação não é ruim. Podemos aplicar este mesmo recurso para os finais das temporadas, elas simplesmente acabam, sem um final definido.
Eu poderia estender o texto e falar dos aspectos técnicos (a fotografia é linda!), citar alguns episódios geniais (Nashville / The Thief / New York, I love you / Thanksgiving) mas eu prolongaria demais o texto e você talvez nem terminasse de ler.
Ainda não é certo afirmar que teremos a 3ª temporada de Master of None, mas é certíssimo afirmar que esta série é um dos maiores acertos nas produções originais Netflix.
A frase: “menos é mais” nunca fez tanto sentido.

Anúncio Publicitário
Formado em produção audiovisual, fotógrafo, e idealizador de videoclipes musicais quando o tempo permite. Amante da sétima arte, defensor do cinema nacional e apreciador de uma cerveja gelada. Não gosto de fazer lista de diretores favoritos e sim de filmes: Trilogia do Anel, Cidade de Deus, Forrest Gump, O Rei Leão, O Menino e o Mundo... e por aí vai.